terça-feira, 2 de outubro de 2012

Duas mulheres, dois funerais


Enquanto a morte de Hebe Camargo foi amplamente noticiada, uma outra mulher faleceu, sem destaque ou fama


Minha avó faleceu nesta semana, em 25/09, aos 93 anos de idade, pessoa simples, mas combateu o bom combate e guardou a sua fé. No último sábado,  faleceu, aos 83 anos, uma celebridade: Hebe Camargo, rica, famosa, uma mulher notável, 10 anos de diferença uma da outra. Uma era simplesmente a dona Maria, a outra muito rica, muito importante. Mas na hora em que Deus determinou, o fôlego de vida cessou para as duas. Essa hora vai chegar, seja para simples, famosos, ricos, pobres, negros e brancos.
Há algum tempo atrás, lembro-me que estávamos em um enterro e nossa filha, Rebeca, pela primeira vez, ficou bem próxima da sepultura e acompanhou todo o sepultamento. Ela passou o restante do dia admirada e dizia para nós que aquela cena foi muito forte, que ali era o fim de tudo.
Um dos momentos mais difíceis para o ser humano é quando recebe a notícia da morte de um ente querido, quando chega aquele corpo inerte em um caixão e ali passamos algumas horas com a sensação de ter mais algum tempo junto com a pessoa, muitos ainda têm ali a esperança de um milagre, de uma ressurreição, assim como Jesus fez com Lázaro, com a filha de Jairo e outros.
Mas chega a hora da despedida, do sepultamento, fecha-se a urna e desce naquela cova fria e escura. Neste momento muitos entram em grande desespero, pois parece acabar toda a esperança.
Mas é aí que o ser humano se engana, pois é ali que renasce a esperança.
Para aqueles que não conhecem a Cristo, renasce a oportunidade de refletir e imaginar para onde irão após a morte e muitos são impulsionados a conhecerem a palavra de Deus, em momentos como esse. Encontram sentido na promessa de Jesus em João 11: 25: “Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá”.
Também ali se renova a esperança daqueles que servem a Cristo, renova-se o desejo de ser mais fiel a Deus, de lutar pela vida eterna. Renova-se a esperança da promessa de Deus em João 5: 25, 28 e 29: “Em verdade vos digo que vem a hora, e agora é, em que os mortos ouvirão a voz do filho de Deus, e os que a ouvirem viverão. Nos vos maravilheis disto, porque vem a hora em que todos os que estão no sepulcro ouvirão a sua voz. Os que fizeram o bem, sairão para a ressurreição da vida, e o que fizeram mal, para a ressurreição da condenação.”
Meu esposo, que é pastor, costuma perguntar para as pessoas se elas estão com o seguro celestial em dia. Que seguro é esse?
A condição para ter direito a esse seguro é: “Quem crer e for batizado, será salvo.” (Mc 16: 16).
A garantia desse seguro está em João 14:1e 2: “Não se turbe o vosso coração, credes em Deus, crede tambémem mim. Nacasa de meu Pai há muitas moradas: se não fosse assim, eu vo-lo teria dito: vou preparar-vos lugar.”
Aqueles que recebem a Cristo e vivem de acordo com sua vontade terão uma nova morada, uma nova vida, que será eterna. Há um cântigo antigo que diz: “se o seu coração parar de bater agora, se você for embora, para onde você vai?
Ainda há tempo de decidir e garantir o seu seguro celestial.
Deborah Dalava congrega na IAP em Santana (São Paulo, SP).
via - www.portaliap.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário